Só envelhece quem quer

Por: Cirlene Feliciano

Sábado 22:00 horas, Baixo Leblon

__vovô! O que o senhor pensa que está fazendo?

Caco mais uma vez entra na pista de skate para tentar realizar a manobra que idealizara em mais um de seus devaneios alucinógenos de adolescente suburbano em busca do elo perdido da fama, mas infelizmente, como sempre, a pista está ocupada.

Só que desta vez não é nenhum playboyzinho do asfalto que desliza o seu skate importado. É um velhinho de muito mais de sessenta anos, que desafiando a lei da gravidade e também a lei da terceira idade, que em sua crueldade sui generis da humanidade, diz: lugar de velho é no aconchego do lar, sentadinho na cadeirinha de balanço, com seu pijaminha listrado, jogando paciência.

Continuar a ler

Voltei, mamãe!

Por: Cirlene Feliciano

Mais uma vez, a mulher arrasta o garotinho pela mão ladeira abaixo, soltando-o para apoiar a bicicleta, que com seu brilho ofuscante de “saí da loja agora”, atrai os olhares cobiçosos que ela logo repreende em pensamento.

– Gentinha invejosa! A pista está tranquila. O pessoalzinho de sempre para atravessar. Fica aí, filho!

Ela tenta convencer o pequeno a se manter quietinho no acostamento da pista central aguardando-a posicionar a bike para continuar a travessia segurando a barra da sua saia surrada. Ouve-se um baque surdo, o burburinho das vozes sussurrantes, os curiosos que não param de chegar. Mas ela não consegue ver nada disso. Está no mundo do faz de conta que não aconteceu nada. Na terra do desespero onde os membros entorpecidos teimam em se manter eretos, como se tivessem vida própria.

Continuar a ler

Luan Santana

Dezenove horas e trinta e dois minutos, O trem começa a se movimentar nos trilhos e na plataforma a multidão se acotovela. È só uma questão de segundos para iniciar o vai e vem de ambulantes. Mal posso esperar para saciar a pequena compulsão que desenvolvi no vai e vem da periferia à cidade.

___Amendoim, torradinho!

___Guaracampi!

____Ô aguáaaaaaaaaaaaaaa!Geladinha!

Continuar a ler