Quase verdade

Por: Edilano Cavalcante

Moro na esquina do céu. Bairro aconchegante como esse, dificilmente irá encontrar, não com pessoas tão gentis, acolhedoras, desprovidas de qualquer vestígio de maldade, estão sempre disponíveis a dar um sorriso quando a invejosa tristeza costuma bater nas portas, disfarçada de uma solidão boa.

Nesse cenário flutuante, sou conhecido e conheço todas as pessoas, faz parte do ensinamento casual dividir e multiplicar o amor que recebe, também é comum ver velhos moradores ensinando humildemente os novos que se agregam a esse grande laço de divindade múltipla.

Rotineiramente fazem-se grandes festas para registrar os acontecimentos espalhados por todo bairro, vou tentar lembrar com clareza de um dos mais importantes eventos dos últimos meses; o casamento do sol com a lua.

Todo cenário estava enfeitado com muita luz, o sol fez questão de pessoalmente cravar muito de seus raios por todo bairro, queria expandir a alegria que sentia. As nuvens, amigas intimas do casal, formaram grandes paredes para assediar o espetáculo. Estava muito lindo o lugar forrado de branco, iluminado por raios com as vozes marcantes dos trovões do reino que cantavam sem cessar.

Os convidados saiam de suas casas com as mais belas e variadas roupas que tinham, a dama de saturno desfilava com elegância controlando seus anéis que giravam incessantemente, júpiter, espaçoso com sempre, variava suas cores intimas enquanto se acomodava próximo das nuvens.

Muitos, convidados ilustres iam aparecendo, todos os planetas famosos foram, estrelas de deferentes classes e formas também deram seus brilhos, asteróides não paravam de girar de tanta euforia, todos esperavam impaciente a chegada da noiva lua, o tempo como sempre não esperava e cada vez mais deixava o noivo explosivo.

Por fim a noiva chegou, e como toda noiva, estava radiante, sua presença rapidamente inundou o lugar com um brilho prateado, ela se aproximava e todos admiravam sua beleza incomum. Na parte mais importante, da fusão do sol com a lua, uma chuva de meteoritos deu um espetáculo de brilho e fogo ao som dos trovões, foi mágico.

Logo depois a grande festa, um encontro a parte, as galáxias formaram um véu que cobriram os noivos e os esconderam para que pudessem desfrutar suas presenças opostas e singular. Outros acontecimentos tiveram e continuaram a ter, mas esse foi o que me marcou, sendo eu ainda tão jovem, esperarei por outros ainda melhores.

NA VERDADE, CHAMO-ME JOÃO VIVO EM UM LUGAR INCRIVELMENTE PERIGOSO, TALVEZ POSSA ATÉ EXISTE HISTÓRIAS COM FINAIS FELIZES, MAS NORMALMENTE SOMOS CONVIDADOS PARA OUTROS TIPOS DE EVENTOS. VELÓRIOS. POR ESSA RAZÃO CRIO DIA APÓS DIA MINHA HISTÓRIA FICTÍCIA, POR MAS IMPOSSÍVEL QUE PAREÇA, ELA TEM FINAL FELIZ.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s