Tá me zuando?

Por: Leilane MBrito

O sábado estava quente, mas o vento intenso e fresco amenizava o calor quase insuportável. A rua estava calma, o bar da Neusa estava cheio pela comemoração do aniversario do Sr. Mateus. Na rua de frente para o bar, um carro branco em alta velocidade, não consegue fazer a curva e quase entra no bar, mas Fabiano que estava dirigindo, joga o carro para esquerda onde passava Dona Maria, esposa de Mateus, que cai de joelhos na rua.

Quando tenta se levantar, é atropelada por um carro preto com vidros escuros, que estava perseguindo Fabiano e Lara. O carro se choca contra seu corpo, que com o impacto cai na frente dele, que passa por cima, espalhando suas vísceras por toda a rua. De repente, saem braços armados pelos vidros do carro, atirando em Fabiano, e uma das balas entra pela parte traseira do veiculo perseguido, atravessando o vidro da frente.

Enquanto isso alguns curiosos espiavam os restos dilacerados de Dona Maria. Silas, um dos curiosos, sente uma forte dor no peito e ao levar a mão ao coração, nem chega a sentir o sangue escorrendo e cai morto, atingido por uma bala perdida. Na outra rua, Fabiano não conseguia se safar da perseguição do carro preto que, implacável, continuava atirando sem parar, quando a vista ao longe, numa curva, uma carroça cheia de garrafões de plástico.

Acelera o carro como se fosse passar por cima, mas quando esta chegando perto, da uma guinada de 180º, voltando pelo lado oposto. O outro carro não teve a mesma sorte: também tinha acelerado para não perder Fabiano e estava quase colado na traseira dele, não conseguindo frear a tempo, atingindo a carroça e capotando várias vezes. Ao parar com as rodas para cima, só se via os braços esmagados dos atiradores e uma cabeça decepada.

Subitamente o carro explode espalhando partes dele para todo lado e Luciano, que estava na calçada, atrasado para chegar ao trabalho, é atingido violentamente por um cano do carro que o atravessa e fica preso em seu ombro e com a força do impacto prende seu corpo na parede da rua como se fosse um prego.

Fabiano e Lara param num beco escuro e resolvem esconder o carro ali e irem a pé, para depois pegarem a grana escondida que roubaram do traficante Madeira, que tinha sido morto numa disputa de território. Quando chegam à outra rua, são cercados por outro carro preto que também os estavam seguindo, sem eles saberem, e são metralhados por mais de cem tiros.

Dez anos se passaram e os filhos de Fabiano e Lara, Fabio e Larissa, entram no carro que ficou abandonado todo esse tempo, e pegam a sacola de dólares que estava escondida dentro do forro do banco traseiro e saem pulando felizes, comemorando que tinham ficado milionários.

No quarto do Edu.

– AAH! Para! Cê acha que vô cair nesse caô, se liga!

– Mas é verdade Lucas, meu velho estava lá, estou contando o que sempre ouvi.

– Tá bom Edu! Nerdzinho sem noção… Certo, acredito. To indo nessa.

– Ok! A gente se cruza na festa.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s